quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Sexo Privilegiado - O Fim do Mito da Fragilidade Feminina

Este livro defende uma tese incendiária: as mulheres, e não os homens, são o gênero privilegiado ao longo da história. Creveld, um historiador militar em Israel, não é nenhum louco misógino: sua argumentação é irretocável e a pesquisa, extensiva. O livro é organizado com muita clareza. Os capítulos, dedicados à vida econômica, à saúde, à seguridade social ou às questões militares, entre outros, apresentam os exemplos e argumentos e, no fim, uma conclusão que resume o texto anterior. A lógica de Creveld é difícil de contestar. No capítulo sobre os rigores da lei, por exemplo, ele mostra, com estatísticas e casos específicos, que mulheres criminosas têm menos chances de ir para a cadeia; quando vão, de serem julgadas; se forem, de condenação; se condenadas, de receberem penas longas e, por fim, se as receberem, cumprirão a sentença em cadeias muito mais salutares do que as masculinas. O campo de estudo do livro é bem vasto e os exemplos, muito variados. Desde a desmistificação da suposta opressão dos gregos às mulheres até os dados mais recentes sobre longevidade e qualidade de vida, sem esquecer a Santa Inquisição ou as guerras, todo o livro é uma coleção impressionante de exemplos de privilégios femininos ? numa desigualdade que só perdurou, na visão do autor, porque a eles correspondiam os direitos que foram exclusivos dos homens ao longo da história.






Nenhum comentário: